Mal do século

Mal do século

Riad Younes

Sete em cada dez pessoas sofrem ou sofrerão de um dos “males do século”. A cefaleia tensional, ou dor de cabeça associada a estresse, tensão, fadiga ou movimentação e postura inadequadas. Apesar do nome, a causa ainda não está totalmente clara. Frequentemente associada à contração dos músculos da cabeça e do pescoço, em indivíduos submetidos a situações de estresse, ou de trabalho prolongado em escritório, principalmente ligado a um computador. Dormir em posição não habitual, como cochilar assistindo a um programa na tevê, também pode deflagrar uma crise de cefaleia. Como dores de cabeça são muito frequentes na população, o diagnóstico correto, e a diferenciação de outras causas mais sérias de cefaleia, pode ser crucial.

O médico deve se esforçar em descartar, por exemplo, a possibilidade de enxaqueca, importante no manejo desses pacientes. A maioria dos casos de cefaleia tensional aparece, em homens ou mulheres, em idade variando entre 20 e 50 anos. Raramente após essa faixa etária. Esse tipo de dor de cabeça pode se apresentar de forma esporádica, de vez em quando, quando as crises não afetam o indivíduo mais de 15 dias por mês.

Cefaleias mais frequentes são caracterizadas como crônicas. Alguns aspectos ajudam a desconfiar de cefaleia tensional. O doutor R. M. Pluta descreveu, na prestigiosa revista Jama, sintomas que apontam nessa direção. Para se fazer o diagnóstico, ou a suspeita forte, bastariam dois ou mais dos seguintes sintomas:

1.Dor de cabeça em pressão, não do tipo pulsátil.

2.Presente dos dois lados da fronte, na região temporal ou na nuca.

3.Intensidade geralmente leve a moderada.

4.Não piora com atividade física.

A duração da cefaleia pode variar muito, entre meia hora ou uma semana. A diferença mais importante que a separa de um quadro típico de enxaqueca inclui a ausência de náuseas ou vômitos acompanhando o quadro de dor. Por outro lado, fenômenos visuais, muito comuns na enxaqueca, podem estar presentes em pessoas que sofrem de cefaleia tensional.

Desconforto com a luz, conhecida como fotofobia, ou com ruídos, a fonofobia, ocorrem em parcela importante dos doentes. Especialistas alertam, no entanto, que o diagnóstico não é tão simples, e recomendam que pessoas com piora progressiva da intensidade da dor de cabeça, principalmente se associada com febre, procurem seu médico ou um pronto–socorro. Pode não ser uma cefaleia tensional comum. O médico, geralmente um clínico ou um neurologista, deve excluir outras causas graves de cefaleia.

O tratamento da cefaleia tensional é simples, e inclui corrigir ou evitar, sempre que possível, as causas que deflagram a crise, como estresse, fadiga e má postura. Ao mesmo tempo, analgésicos e anti-inflamatórios rotineiros podem trazer alívio ao paciente.

A maioria dos especialistas recomenda também atividades de relaxamento, como yôga, alongamento muscular, meditação e melhora da postura. Mas também deixam recados cautelosos com os medicamentos. Em estudo publicado recentemente na revista Neurological Sciences, pesquisadores observaram que 13% dos pacientes portadores de cefaleia tensional abusaram das medicações, e apresentaram sinais de efeitos colaterais. Sempre que possível, recomendam avaliação e orientação médica para evitar complicações associadas aos analgésicos.

Fonte: Revista Carta Capital. Edição de 27/08/11.
Imagem: Google

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: